Edições Anteriores
Previous Editions

Em abril deste ano, o Balé Teatro Casto Alves (BTCA) propôs uma reinvenção dupla com o espetáculo Irrecusável, dirigido por Clara F. Trigo, e o projeto Sob Rasura, formado por um filme de dança, um filme de animação e um livro de dedo. Novas perspectivas e novos modos de fazer dança.

Agora em agosto, mais uma vez eles chegam com novidades dobradas. Zulmira, criada por Rino Carvalho, é uma coreografia que resulta da reação dos intérpretes às situações que lhe foram propostas, expondo as frestas entre o que há de individual e uma massa sem identidade. Já a dança e videoinstalação GRETAS DO TEMPO, sob concepção de Ivani Santana em parceria com Sandro Canavezzi, mergulha nas memórias, tanto desta companhia oficial de dança do Estado da Bahia, criada em 1981, quanto dos seus bailarinos, tudo numa relação com a cidade que os abriga: Salvador. Nesta proposição estética, há uma interseção com tecnologias, uma mediação definitiva da produção artística contemporânea em todo o mundo.

Assistir a estas experiências e resultados de pesquisas nos faz consentir a imensa importância de se continuar investindo na criatividade do BTCA, para que, cada vez mais, ele enriqueça a dança baiana com autenticidade, representatividade e valorização.

Nehle Franke
Diretora da Fundação Cultural do Estado da Bahia

In April of this year, the Castro Alves Ballet Theater (BTCA) proposed a dual reinvention with an irresistible spectacle, directed by Clara F. Trigo, and the Sob Rasura (Under Erasure) project, which included a dance movie, an animated film and a flip book. New perspectives and new ways of doing dance.

Now in August, they’ve come up with double novelties once again. Zulmira, created by Rino Carvalho, is a choreography resulting from the interpreters’ reactions to proposed situations, exposing the gaps between the individual and the non-individuated masses. The dance performance and video installation GAPS IN TIME, conceived by Ivani Santana in collaboration with Sandro Canavezzi, delves into memories, those of the official dance company of the State of Bahia, founded in 1981, as well as those of its dancers – all in relationship to the city that hosts them: Salvador. This aesthetic proposition develops from intersections among technologies, the definitive mediation determining contemporary artistic production worldwide.

To watch and become a part of these experiences and research results makes us aware of the enormous importance of investing in creativity in the BTCA, so that, more and more, the BTCA is able to enrich Bahian dance with authenticity, representation and worth.

Nehle Franke
Diretor of the State of Bahia Cultural Foundation

O Balé Teatro Castro Alves viaja no tempo para fortalecer as relações passado-presente-futuro dos seus próprios bailarinos, desta vez num mosaico de multilinguagens concebido pela professora Ivani Santana em parceria com Sandro Canavezzi. Ao propor uma investigação de conceitos utilizando a arte da dança e as tecnologias contemporâneas, o projeto “Gretas” coloca o Balé não apenas no palco, no formato de um espetáculo, como também projeta os seus artistas nas paisagens da Cidade do Salvador, produzindo imagens, sonoridades, emoções e cenas que sugerem uma interação coletiva e a cumplicidade do público.

Moacyr Gramacho
Diretor do Teatro Castro Alves

The Castro Alves Ballet Theater travels back in time to strengthen the past-present-future relations of its own dancers, this time in a multi-language mosaic designed by Professor Ivani Santana in partnership with Sandro Canavezzi. By proposing an investigation of concepts using the art of dance and contemporary technologies, the “Gaps” project not only puts Ballet on stage, in a show format, but also projects its artists into Salvador’s urban landscapes, producing images, sounds, emotions and scenes that suggest a collective interaction and the complicity of the public.

Moacyr Gramacho
Director of Castro Alves Theater

O Projeto “Gretas do Tempo” do Balé Teatro Castro Alves, coordenado pela bailarina Lícia Morais, tendo como autora e executora a artista convidada Ivani Santana, trata da memória do BTCA entrelaçada à própria memória do corpo do bailarino.

O tempo, que rege os processos genuinamente criadores e registra a assimetria, ajuda a entender que o que estamos fazendo hoje é alimentado pelo que fizemos antes. Os novos processos criativos revisitam os anteriores, os contaminam e se deixam contaminar, dando margem à novas percepções de cada uma dessas temporalidades. Elas são as memórias de cada fluidor.

Registrar a história do Balé Teatro Castro Alves não é tarefa fácil, pois são muitos os recortes que poderíamos criar para desenhar a trajetória de uma das mais importantes companhias oficiais de dança do Brasil. O BTCA avança em novas perspectivas com desafios, descobertas, experimentações e reflexões sobre sua própria existência.

Jorge Vermelho e Ivete Ramos
Curadoria e Assessora Artística
Balé Teatro Castro Alves

The project “Gaps in Time” of the Castro Alves Ballet Theater, coordinated by dancer Lícia Morais, and executed by its author, the visiting artist Ivani Santana, examines the memory of the BTCA as intertwined with the corporal memory of the dancer.

Time, which governs all genuinely creative processes, recording asymmetries, helps us to understand that what we are doing today is fueled by what we did before. New creative processes revisit previous ones, contaminate and let themselves be contaminated, giving rise to new perceptions of each of these temporalities. The processes themselves are memories of this fluctuation.

It is no easy task to record the history of the Castro Alves Ballet Theater. There are so many clippings, so much history that can be used to trace the trajectory of one of Brazil’s most important official dance companies. The BTCA advances by investing in new perspectives, by meeting challenges, with discoveries, experimentation and reflections about its own existence.

Jorge Vermelho and Ivete Ramos
Curator and Artistic Advisor
Castro Alves Ballet Theater

O Núcleo de Pesquisa do BTCA foi criado no ano de 2009. O empreendimento revela-se como um diferencial em se tratando de companhias oficiais estatais. Fruto da experiência de seus dançarinos e de um olhar sensível dos diretores responsáveis pela condução da companhia, o Núcelo de Pesquisa acredita que o bailarino deixou de ser um mero repetidor de técnicas para se tornar um ser que pensa de uma forma expandida a função da arte na sociedade.

Portanto, institucionalizar a pesquisa no Balé do Teatro Castro Alves através da criação de um Núcleo de Pesquisa demonstra, sobretudo, a busca de novas maneiras de atuação clamadas pela contemporaneidade. A necessidade da quebra dos paradigmas que cercam companhias dessa magnitude é uma inquietação permanente para os que pensam a dança. Esta ação assim traz anseios e é um marco das transformações almejadas pelo BTCA.

O ser bailarino já nos determina pesquisadores em potencial à necessidade da arte e do artista dançarino em querer traduzir, por meio do seu corpo, a organização significativa da sua percepção do mundo, a qual é mais que uma atividade interessada, é um ato de inquirir, perquirir e investigar típico de um pesquisador. O projeto GRETAS DO TEMPO é uma ação do BTCA “linkada” e mediada pelo seu Núcleo de Pesquisa em uma de suas propostas de dar visibilidade a suas atividades vinculadas à pesquisa prática artística com parceria de artistas pesquisadores que tragam em suas concepções o conceito da pesquisa no sentido da inovação mobilizando o bailarino a exercitar em sua intensidade os caminhos da experimentação para novas contribuições no seu universo, sentindo-se dessa maneira agente transformador da arte propondo desde uma companhia oficial, o que não poderia ser diferente, diante das diretrizes da Secretaria de Cultura do Estado.

GRETAS DO TEMPO é um projeto artístico fruto da pesquisa acadêmica e artística no campo das Artes mediadas pela tecnologia digital desenvolvida pelos pesquisadores-artistas Dra. Ivani Santana (UFBA) e Dr. Sandro Canavezzi (UFU).

Com essa parceria, portanto, o Núcleo de Pesquisa do BTCA “não” esta almejando certezas ou criando modelos estabilizados, mas, sobretudo trazendo uma discussão para sociedade que possa considerar nossa companhia oficial de dança uma instituição que preserva, investiga, comunica e interpreta a arte com fins não somente na passividade do seu público, mas entendendo sua intenção de estudo, pesquisa, educação, contemplação e, sobretudo, transformação por meio da Arte.

Dra. Lícia Morais
Mestre (UNICAMP) e Doutora (USP) em Artes, bailarina e Coordenadora do Núcleo de Pesquisa do BTCA.

Created in 2009, the Research Nucleus of the BTCA, soon revealed itself as a differential undertaking in terms of official state companies. Fruit of the experience of its dancers and under the sensitive eye of the directors responsible for the company, the Research Nucleus believes that the dancer’s role is no longer one of merely repeating known techniques, but has become that of an active thinker regarding the role of art in society.

The institutionalization of research through the creation of a Nucleus for Research thus demonstrates, above all, the search for new ways of acting that contemporaneity calls for. The need to break down paradigms surrounding companies of this magnitude is a constant and restless preocupation for those who think about dance. A trademark of the BTCA, this need brings with it an anxiousness to enact the transformations desired and envisioned by the company.

Being a dancer already makes us potential researchers in the necessity of art and how the dancer wishes to translate, through his or her body, a significant perceptual organization of her world. This is more than a self-interested activity. It’s an act of inquiry, of assertion and investigation typical of the researcher. The GAPS IN TIME project, a BTCA action linked with and mediated by its Nucleus for Research, represents one of its proposals to heighten visibility given to its practical research activities in partnership with other artist researchers who bring with them their own conceptions regarding how research can promote innovation, mobilizing the dancer to intensely experiment with new ways of contributing to her universe, thus becoming a transformative agent of art while acting within an offical company – which could not be otherwise, given the guidelines of the State Secretariat of Culture.

Developed by researcher-artists Dr. Ivani Santana (UFBa) and Dr. Sandro Canavezzi (UFU), GAPS IN TIME is an artistic project born from academic research in the Arts as mediated by digital technology.

However, the Nucleus for Research of the BTCA does not pretend to find certainties or create established models with this partnership. Rather, it hopes to open up discussion regarding its social role, where its official dance company is considered not as an institution that preserves, investigates, communicates and interprets art as a means to present it to a passive public, but rather is appreciated in its intention to study, research, educate, contemplate and, above all, transform society by means of Art.

Dr. Lícia Morais
Masters (UNICAMP) and Doctorate (USP) in Arts, dancer and Coordinator of the Núcleo de Pesquisa do BTCA (Research Nucleus of the Balé Teatro Castro Alves).

FICHA TÉCNICA
Credits

IDEALIZAÇÃO DO PROJETO, CONCEPÇÃO DAS OBRAS E DIREÇÃO GERAL: IVANI SANTANA
Co-autoria da obra Memórias do Tempo: Sandro Canavezzi

Estratégias investigativas em Dança: Ivani Santana
Programação/interatividade e Gerenciamento Tecnológico: Sandro Canavezzi
Cenografia e estudos sobre a cidade: Joaquim Viana
Criação e direção de áudio binaural: Ivani Santana
Desenvolvimento de app para mídias móveis: Adiel Cristo
Paisagem sonora da videodança: Ivani Santana e Felipe André Florentino
Programação de Áudio da instalação: Felipe André Florentino
Montagem de áudio da soundwalk e instrumento: Felipe André Florentino
Assistência computacional: Pedro Lacerda
Direção dos Videodanças: Ivani Santana
Direção de Fotografia: Gabriel Teixeira
Montagem: Alexandre Marinho
Documentação e edição de imagem: Valdinei Matos
Webdesigner: Nando Cordeiro
Fotografia: Shai Andrade
Assessoria de Imprensa: Joceval Santana
Execução da Cenografia: Lorena Peixoto e Fernando Costa (Apoio Centro Técnico TCA)
Cenotécnico: Adriano Passos, Israel Gão, Bruno Matos, Antônio Carlos, Cássio Vieira e Tiago Silva
Costureiras: Edilene Cruz, Guida Maria, Letícia Santos, Lucinha Lopes e Maria do Carmo
Monitores : Fabby Villa Verde, Jean Souza e Leonardo Muniz
Assistentes de Produção: Inah Irenam, João Rafael Neto e Rafael Alexandre
Produção Executiva: Jacson do Espírito Santo
Execução: ATELIER DO MOVIMENTO ARTÍSTICO – AMA

Elenco:
Agnaldo Fonseca
Lícia Morais
Lila Martins
Paullo Fonseca
Rosa Barreto

Apoio:
18º Batalhão da Polícia Militar, 2º Comando do Distrito Naval, GM Contábil,Grupo de Pesquisa Poéticas Tecnológicas: GP Poéticas, IHAC, PHAN, M2 Audiovisuais, Mercado Modelo, Palácio Rio Branco, SALTUR, Shark Dive Mergulho Bahia,Transalvador,Vox Pop Music e Yacht Clube da Bahia.

Agradecimentos:
Superintendência de Tecnologia da Informação (UFBA); Edmilson Serralheiro, GM Contábil: Georgem Moreira Silva, Manoela Silva, Lorena das Virgens Santo, SALTUR: Poliana Simões, Mercado Modelo: Amarilda Santana Ferreira, Bruno de Jesus, Segurança Piris, Juliana Roiz, Dra. Ilana Rodrigues Santos, Wilton Souza de Oliveira, Fátima Wachowicz, Isaura Tupiniquim, David Iannitelli, Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas (UFBA), Claudete Alves e Luiz Claudio Mendonça (STI – UFBA) e PRODEB.

REALIZAÇÃO: BALÉ TEATRO CASTRO ALVES
Curadoria Artística: Jorge Vermelho
Assessoria Artística: Ivete Ramos
Assessoria Executiva: Ana Paula Bastos de Oliveira
Administrativo: Bárbara Tavares
Assessoria Técnica: Irma Vidal
Produção Executiva (Estagiária): Hury Ahmadi
Núcleo Difusão e Circulação: Ivete Ramos
Núcleo Formação de Plateia e Projetos Especiais: Sylvan Barbosa
Núcleo de saúde do bailarino: Alice Becker
Núcleo de Pesquisa: Lícia Morais
Assistente de Coreografia: Anna P. Drehmer e Ticiana Garrido
Contrarregra: Conceição Chagas

Companhia:
Adriana Bamberg
Agnaldo Fonseca
Ajax Vianna
Alice Becker
Anna P. Drehmer
Ângela Bandeira
Dina Tourinho
Evandro Macedo
Fátima Berenguer
Gal Vilas Boas
Gilberto Baía
Gilmar Sampaio
Ivete Ramos
José Antônio Sampaio (China)
Konstanze Mello
Leonard Henrique
Lícia Morais
Lila Martins
Lilian Pereira
Luis Molina
Luíza Meireles
Marcos Napoleão
Maria Ângela Tochilovsky
Mônica Nascimento
Paullo Fonseca
Renivaldo Nascimento (Flexa II)
Rita Brandi
Rosa Barreto
Solange Lucatelli
Sônia Gonçalves
Sylvan Barbosa
Ticiana Garrido